Prazo para início da exigência de exames de brucelose e tuberculose em bovinos destinados a leilões é prorrogado

Leiloeiras, pecuaristas e entidades do setor alegam que exigência de tais exames somente nos eventos de concentração animal não faz sentido, por não se tratarem dos destinatários finais dos animais

Foi prorrogado o prazo para o início da exigência dos atestados de exames de brucelose e tuberculose para bovinos e bubalinos destinados a leilões de rebanho geral, conforme previsto no Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose PECEBT/SP, especificamente na Resolução SAA nº 52, de 03 de agosto de 2021. Tal decisão ocorreu após uma reunião realizada, na última terça-feira (08), entre representantes da Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo, entidades do setor, da Câmara Setorial Pecuária e de leiloeiras do estado.

Anteriormente, o prazo para se adequar a normativa era até 1º de julho de 2022. Contudo, de acordo com Vitor Alves, sócio administrador da Bauru.com Leilões, o prazo foi prorrogado até julho de 2023, podendo se estender, ainda, até dezembro. "Neste tempo será realizado um estudo de prevalência para entender o impacto desses males no ser humano e na cadeia de consumo da carne".

Vitor Alves conta que a reunião se estendeu por mais de duas horas e contou com a participação de importantes nomes do setor. "Com Chris Morais, Arariba Ferreira, Paulo Belarmino, Oswaldo Furlan Junior [da Associação GPB], uma equipe excelente do Senar e também da Defesa Agropecuária. Tivemos um grande diálogo com o Itamar Borges, secretário da Agricultura do Estado de São Paulo, e Luiz Bianco, diretor da Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo. Onde conquistamos uma extensão do prazo para aplicação dos exames", reforça.

Ainda de acordo com a Alves, a exigência de exames de brucelose e tuberculose em bovinos e bubalinos somente nos eventos de concentração animal não faz sentido. "Os leilões não são os destinatários finais nem passagem de todo o gado do estado. Existem outras formas melhores para serem exigidos esses exames, que foram propostas para os órgãos competentes, e agora iremos aguardar o resultado para ser tomada uma decisão com base em dados científicos".

Além disso, ele conta que tal exigência pode gerar danos sérios ao setor, haja vista que esses exames são caros e com validade curta. "Muitos leilões tem mais de mil cabeças por semana, o que geraria uma despesa impagável para a realização do evento. A aplicação dessa lei resultará no fim dos leilões presenciais de gado de corte".

E ainda acrescenta: "Em breve terá início o inquérito para averiguação dos impactos da brucelose e tuberculose de acordo com o nosso solicitado. Esse processo todo deve demorar cerca de um ano. Então, podemos comemorar que conquistamos um respiro para que possamos exercer a nossa atividade profissional", finaliza o sócio administrador da Bauru.com Leilões.

Por fazer parte do elo da indústria da pecuária nacional, a Associação GPB - Grupo Pecuária Brasil tem acompanhado de perto as negociações envolvendo a aplicação dessa normativa. Tanto que durante a reunião realizada na última terça-feira, participaram o presidente da entidade, Oswaldo Furlan Junior e a integrante do GPB, a pecuarista Chris Morais, que declara: "GPB faz parte do elo da indústria da pecuária. A nova normativa técnica permite a todos ter melhor do rebanho".

Instagram: @gpb_oficial | Facebook: grupopecuariabrasil | Youtube: Canal GPB - Grupo Pecuária Brasil

Por Natália de Oliveira/Agrovenki
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no Blog do GPB